Site Autárquico Loulé

30º aniversário da cidade de Loulé assinalado com projetos estruturantes

30º aniversário da cidade de Loulé assinalado com projetos estruturantes

Obras Municipais

09 de fevereiro de 2018

Estudo para Polo Intermodal de Transportes no Parque das Cidades divulgado

Apresentação da 2.ª fase das obras da circular Norte de Loulé

Apresentação da 2.ª fase da Avenida do Atlântico, Quarteira

Nos 30 anos de comemoração da elevação de Loulé a cidade, a Câmara Municipal de Loulé reforçou a sua estratégia sustentada de desenvolvimento territorial com a apresentação de três projectos de elevado impacto para a qualidade de vida das populações e dos visitantes: a 2ª fase da Circular Norte de Loulé, a 2ª fase da Avenida do Atlântico em Quarteira e o Polo Intermodal de Transportes no Parque das Cidade.

Loulé reforça a centralidade regional ao trabalhar as acessibilidades com uma visão integrada e intermunicipal, na maior região turística do país, esta visão reforça o desenvolvimento económico e de atractividade empresarial. Numa cerimónia que contou com a presença de Guilherme d’Oliveira Martins, Secretário de Estado das Infraestruturas e de António Laranjo, Presidente das Infraestruturas de Portugal, foi homologado o acordo entre a IP e a Câmara Municipal relativamente à ER270, passando a gestão da via entre Boliqueime e a Fonte D’Apra (limite do Concelho) para o domínio municipal.

Neste dia comemorativo foi cumprida uma antiga aspiração dos louletanos – a de finalizar a Circular da cidade, com a conclusão do troço norte. Trata-se da ligação da rotunda das Barreiras Brancas da ER270 até à rotunda de Querença/Ameixial na EN396, numa extensão de cerca de 1,700 m, que permitirá retirar o tráfego de passagem do centro da Cidade, melhorar a circulação automóvel e criar um acesso privilegiado à Via do Infante desde a zona nascente de Loulé. A intervenção pretende fixar uma velocidade base de 70/km e uma solução com um a faixa de rodagem de 1X2 vias. Integrada na estratégia municipal de promoção da vida saudável e prática ativa de exercício, deu-se igualmente atenção a uma maior vivência e enquadramento urbanístico com a zona envolvente, a criação de uma ciclovia, a zona pedonal e áreas verdes.

Com um investimento que ronda os 3.373,000€, a obra estará concluída durante este mandato, sendo a responsabilidade financeira da edilidade que assumirá a totalidade do valor da empreitada, assumindo as competências da administração central.

Para o presidente Vítor Aleixo, depois deste troço, o que falta para “fechar” a circular será substituído por uma via com características e filosofia diferentes, que atravessará uma área com outra finalidade. “Futuramente Iremos desenvolver ali um Parque Urbano e Agrícola e a mobilidade nessa área sul da cidade será uma mobilidade de características diferentes. Estamos a projetar uma via panorâmica mas que não tem as características de toda a estrutura viária em torno da cidade de Loulé”, adiantou este responsável.

Foi apresentado o estudo prévio para a 2ª fase da Avenida do Atlântico, numa altura em que o Governo aguarda o visto do Tribunal de Contas para passar a gestão do troço da EN396 entre as Duas-Sentinelas e a entrada de Quarteira para a Câmara Municipal de Loulé. Esta continuação até à zona do Semino (rotunda da Vila Sol) abarca 870 m de via e aí será introduzida uma faixa de rodagem no sentido Quarteira-Loulé, ficando a estrada existente com duas faixas no sentido Loulé-Quarteira, com uma ciclofaixa e um passeio ou berma, à semelhança do que foi feito na atual Avenida do Atlântico.

Numa perspectiva de maior qualidade de vida e reforço de opções de mobilidade, em modos suaves, como o uso da bicicleta e a circulação pedonal, pretende-se aumentar a segurança nas várias formas de deslocação, por exemplo limitar a circulação automóvel a 50km/h, resolver o entroncamento com a Rua Altura de Maio (“entroncamento da Gida”) e dar uma estrutura à zona da rotunda da Vila Sol, onde existe edificado, iniciando uma primeira definição do que poderá ser a zona do Semino.

Numa visão integrada e de estratégia intermunicipal, foi apresentado o estudo para a Estação do Parque das Cidades com polo Intermodal, transformando a estação do Esteval/Parque das Cidades, criada por ocasião do Euro 2004, na estação ferroviária central do Algarve, com a integração do serviço de passageiros de longa distância, acolhendo ainda outras valências como o “Green Bus” (implementação do eixo rodoviário entre Loulé-Parque das Cidades-Aeroporto).

A Câmara Municipal de Loulé vai envidar todos os esforços para de uma forma concertada com a administração central, da REFER, ANA, IKEA, entre outras entidades concretizar este projecto que dá um contributo significativo para a melhoria da mobilidade regional.

Loulé quer potencializar a estação do Parque das Cidades dada a sua localização única e muito favorável, distando a cerca de 10km de Loulé, Quarteira e Faro, e a 15 km de S. Brás, com um raio de influência de 150 mil habitantes (1 terço da população algarvia), junto a um complexo que integra o Estádio Algarve, o Laboratório Regional de Saúde Pública, o futuro Hospital Central do Algarve e Centro de Congressos, perto do complexo comercial do IKEA, Mar Shopping e Design Outlet com cerca de 3 mil trabalhadores, e junto ao nó da A22 e da EN125.

Destaca-se ainda o facto de esta estação se encontrar próximo do Aeroporto Internacional de Faro, do polo das Gambelas da Universidade do Algarve ou do Mercado Abastecedor, bem como da zona industrial que está em desenvolvimento no Esteval.

Uma vez mais, coerentes com a estratégia municipal de aumento da qualidade ambiental e de vida das populações, também este projeto tem em conta a mobilidade suave - como a rede europeia da Ecovia que se inicia no Norte da Europa (Noruega) e termina em Sagres passa junto a esta zona – pelo que esta proposta proporcionará também a promoção do uso da bicicleta.

Relativamente a esta proposta, o Secretário de Estado das Infraestruturas acredita que “este projeto de grande valia para o Algarve é um plano ambicioso de investimento público, e é mais um projeto que vai ser avaliado” pelo Governo.

Já Vítor Aleixo salientou a importância deste estudo no contexto de política de mobilidade interconcelhia. “Foi investido muito dinheiro nesta estação e acreditamos que poderá servir toda a população que se desloca a esta zona. É também uma oportunidade de possibilitar o uso de transporte coletivo a quem ali trabalha”, referiu Vítor Aleixo.

O autarca é da opinião que é preciso “investir para que esta malha urbana Loulé-Faro se estruture ainda mais e que seja competitiva ao nível de Portugal inteiro”.

A título de balanço dos projetos apresentados, Vítor Aleixo disse estarem criadas as condições para que “o Município, com uma estratégia bem definida, pese embora o investimento pesado mas muito necessário para dotar Loulé de infraestruturas, está a criar condições para um concelho ainda mais competitivo no contexto do Algarve e do Sul do país, pela aposta na qualidade ambiental e, consequentemente, na qualidade de vida das suas populações.”