Site Autárquico Loulé

Caderno do Arquivo n.º 10

"Leitura, sociabilidade e opinião pública: o caso da Sociedade do Gabinete de Leitura de Loulé 1835-1848", de Patrícia de Jesus Palma

Geralmente, tendemos a considerar que as conjunturas revolucionárias são contrárias ao desenvolvimento cultural. As dificuldades de comunicações, os exílios, as prisões e a insegurança formam um pano de fundo aparentemente pouco favorecedor. O estudo empírico das fontes documentais demonstra, porém, uma realidade mais porosa e complexa, como se torna patente no caso da Sociedade do Gabinete de Leitura de Loulé, fundada a 29 de Dezembro de 1835, pouco depois da Convenção de Évora-Monte (26.5.1834) ter posto termo à guerra civil portuguesa.

O acervo documental desta Sociedade revela-nos um dos modos como tais contextos, movidos por elevado fervor ideológico, podem desencadear um efeito potenciador de atividades culturais. Ancoradas na reflexão e na discussão pública de ideias, tais práticas revelaram-se suficientemente sólidas para introduzir desvios nas relações entre o Estado e a sociedade civil.

Ao longo deste estudo, evidenciou-se o modo como a Sociedade do Gabinete de Leitura de Loulé representou um autêntico laboratório da cidadania contemporânea com ramificações em outros concelhos algarvios, em Lisboa e em Mato Grosso, no Brasil. Lia-se para agir e agir era já ler. Neste sentido, propõe-se a integração desta Sociedade no amplo quadro de instituições e de agentes que, no Portugal oitocentista, contribuiu ativa e diversamente para o longo e, por vezes, doloroso processo de valorização cultural, que estabeleceu o acesso ao livro e à leitura como um dos pilares fundamentais das sociedades livres e democráticas.